20Ago/19

Tendências para o varejo de moda ajudam a balizar novas campanhas

varejo-de-moda

A moda é um setor bastante importante para a economia de diversos países desenvolvidos, e vem crescendo progressivamente também no Brasil. Dados da Associação Brasileira de Indústria Têxtil (Abit) mostram, por exemplo, que o faturamento da cadeia de tecidos e confecções atingiu US$ 51,58 bilhões em 2017.

São 27,5 mil empresas formais em todo o país dentro desse setor, que produzem em média 8,9 bilhões de peças e 1,3 milhão de toneladas de tecidos. Ele também representa 16,7% dos empregos da indústria de transformação, perdendo apenas para alimentos e bebidas juntos, sendo o 2º maior gerador do primeiro emprego. O país, que abriga uma das semanas de moda mais famosas do mundo, o São Paulo Fashion Week, conta com mais de 100 escolas e faculdades com essa especialidade.

Dentro de todo esse cenário amplo existe um segmento fundamental para todo esse sucesso: o varejo. O IEMI – Inteligência de Mercado apontou que a expectativa de crescimento para vestuário em 2019 é de 2,6% em peças e 4,2% em valores nominais quando comparados ao ano passado. Apesar de indicar resultados promissores, é preciso atenção. Isso porque essa é uma parte sensível dentro da cadeia da moda, que sente todas as oscilações da economia – refletindo mais tarde em todo restante do ciclo.

A explicação é simples: em momentos de crise, o consumidor acaba cortando gastos que considera supérfluos. Nessa lista, o que não é prioridade acaba sendo “riscado”, e entre esses itens está a compra de roupas novas.

Com um mercado tão dinâmico, sujeito a estagnação e crescimento constantes, quem faz parte dele precisa estar atento ao que acontece para conseguir acompanhar esses altos e baixos, criando estratégias para se adaptar a toda essa turbulência.

Campanhas para o varejo de moda

O primeiro passo para conseguir manter as vendas aquecidas em qualquer época do ano é conhecer bem o público-alvo, pois só assim poderão ser definidas formas eficazes de atingi-lo. Isso que irá dizer como deve ser a política de preços, qual o mix de produtos necessários e também como devem ser as campanhas de marketing, por exemplo.

Mas também é essencial estar atento ao futuro, acompanhando as tendências para esse segmento. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) lançou recentemente um estudo com prospecções para o varejo de moda, que mostra o que estará em alta nos próximos anos. Veja alguns dos principais itens destacados nesse levantamento:

  • De olho nas novas gerações
    Os millennials (21 a 34 anos) e centennials (15 a 20 anos) já correspondem a 68,8 milhões de brasileiros, sendo que maior parte desse grupo é economicamente ativa e consome moda. Muito exigentes, querem que as marcas reflitam seu estilo de vida. Para as empresas que desejam aproveitar o alto potencial que essas faixas etárias proporcionam, é preciso investir no marketing digital, afinal eles pertencem a gerações extremamente conectadas – mais de 80% têm acesso a smartphones. A presença digital é vista como algo que demonstra a reputação da marca e qualidade de seus produtos ou serviços. Para pensar em campanhas mais assertivas para esse público, é importante investir em um conteúdo relevante, contar histórias reais, proporcionar experiências de compra diferenciadas, utilizar uma comunicação objetiva e com linguagem adequada.
  • A mídia tem influência
    O comportamento do consumidor é influenciado pelas informações que ele recebe. Ao assistir a uma notícia negativa sobre a economia, por exemplo, é natural que ele tente reduzir suas despesas. Por isso, os empresários devem se manter sempre atualizados sobre o que está acontecendo no país e no mundo, traçando estratégias para que suas vendas não sejam tão impactadas por informações que poderiam gerar resultados ruins. Da mesma maneira é possível se beneficiar quando o cenário é favorável, já que notícias positivas também geram mais consumo.
  • Inspirando-se em pessoas
    O brasileiro não se vê representado pelas propagandas exibidas na TV e esperam mais representatividade. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva, 103 milhões de pessoas disseram que não se identificam com os comerciais. E isso tem motivado muitas marcas a mudarem, investindo mais em “pessoas reais” para representá-las nas mídias sociais.

    Como a moda é baseada em tendências, as referências que os influenciadores desse segmento passam aos consumidores têm sido importantes para conquistar o público, que acaba tendo uma sensação de pertencimento quando seus youtubers ou instagrammers favoritos usam determinada roupa ou acessório. É importante lembrar, porém, que alguns cuidados devem ser tomados antes de escolher uma nova “cara” para a empresa. Consultar se ela tem relevância nesse segmento, avaliar o mídia kit e ver quais as mídias mais adequadas para o público-alvo são pontos essenciais para acertar em cheio.

    > O poder de influência dos YouTubers na publicidade
    > Fim dos likes: entenda como a mudança no Instagram afeta a publicidade

Com ideias para ajudar nas suas novas estratégias para o varejo de moda, é hora de colocar em prática e ficar preparado para ter sucesso em qualquer cenário. Mas, se precisar de apoio com o planejamento, negociação e programação das campanhas, conte com a ajuda de quem tem 30 anos de experiência no assunto, o Grupo FTPI. Entre em contato agora e conheça todos os nossos serviços!

Fontes:
Associação Brasileira de Indústria Têxtil, com dados de 2017 atualizados em outubro de 2018, Instituto de Estudos e Marketing Industrial, Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria Têxtil, Confecção e Vestuário da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.

Últimas notícias do mercado
Estudo global mostra como novas gerações consomem notícias Levantamento da Comscore mostra que jovens se informam pelas redes sociais e não querem pagar para acessar conteúdo. Instagram supera Facebook em interação de usuários, aponta pesquisa Levantamento da Socialbakers revela que o número de interações foi quase 20 vezes maior no período analisado. Por que as pessoas gostam tanto de seguir influenciadores? Estudo do Diário de Campo Pesquisa buscou entender o que motiva milhões de pessoas a acompanharem digital influencers. Podcasts: Brasil é o segundo país com maior avanço no formato Produção cresceu 85% entre janeiro e novembro de 2019 no país, segundo a Voxnest. IBOPE atualiza a representatividade do ponto de audiência televisiva Com base nas novas estimativas populacionais, instituto alterou os dados de medição nos 15 principais mercados do país. Veja mais
FTPI
FTPI São Paulo (11) 2178-8700
FTPI Brasília (61) 3035-3750
FTPI Rio de Janeiro (21) 3852-1588
FTPI Nordeste (81) 2128-4350
FTPI Belo Horizonte (31) 2105-3609
FTPI Curitiba (41) 3026-4100
FTPI Campinas (19) 3296-6224
FTPI Goiânia (62) 98129-0250
FTPI Porto Alegre (51) 99284-2534
Compartilhe
web by Citrus7 2020 | © Todos os direitos reservados