21Fev/13

Movimentação nas favelas é de R$ 56,1 bilhões por ano

No país, são 12 milhões de habitantes morando em favelas. Se essa população integrasse um estado brasileiro, ele seria o quinto mais populoso do território nacional. Geralmente concentradas nas capitais e regiões metropolitanas, estas comunidades movimentam o montante de R$ 56,1 bilhões por ano, um número comparável PIB da Bolívia, segundo estudo do DataFavela. O estudo faz parte de uma parceria entre o Data Popular e Celso Athayde, ex-dirigente da Central Única de Favelas (CUFA).

Alavancada pelo crescimento econômico do País, quem vive nestas comunidades migrou de classe social nos últimos 10 anos. Em 2002, 60% deles pertenciam à classe baixa, enquanto 37% eram da classe média. Em 2013, o quadro se inverteu: 65% se enquadram na classe média e 32% na classe baixa. Na classe alta, os 3% se mantiveram estáveis.

Grande parcela do consumo realizado por eles é feito dentro das próprias comunidades, entre eles: 82% das recargas de celular, 81% dos gastos com barbeiro e salão de beleza, 74% das compras de mercado e padaria e 62% dos gastos com produtos de beleza e perfumaria.

Na alimentação o mesmo acontece: 62% dos gastos com restaurantes e lanchonetes são feitos na própria comunidade. Já as compras planejadas, de valor mais alto, são realizadas em locais distantes, como os eletrodomésticos e produtos eletrônicos (60% delas).

A posse de bens merece ser destacada. Máquina de lavar roupas, celular e microcomputador estão presentes em 79%, 256% e 1.333%, respectivamente, a mais dos lares. Quando se fala em telefonia, nove em cada dez moradores possuem celular; 52% das residências têm máquina de lavar (diante dos 25% em 2002) e 40% já contam com computador (em 2002, eram 3%). No acesso à web, 45% das pessoas vivem esta realidade.

Sobre o perfil do morador de comunidades, eles têm três anos a menos (30 anos) que a média brasileira. O percentual de negros nas favelas é de 67% contra 52% da média nacional. A escolaridade aumentou: em 2002, somente 1% da população tinha ensino superior e 13% contava com o ensino médio completo, enquanto 51% não eram alfabetizados. Em 2013, 5% têm algum diploma universitário e 35% o ensino médio, com os analfabetos caindo para 33%.

Com informações do MMOnline. / Adaptação: Equipe FTPI | Negócios em Mídia | Mídia Regional.

Últimas notícias do mercado
B2B, B2C e D2C: estratégias específicas para cada modelo de negócio Conhecer as particularidades de cada público-alvo é a chave para criar estratégias de sucesso. Qual é o perfil de quem compra carro no Brasil? Empresas do setor automobilístico precisam conhecer bem o seu target para poder direcionar melhor o investimento em propaganda. Internet das Coisas (IoT): saiba como usá-la para se conectar ao consumidor Acesso à rede a partir de diferentes objetos pode ajudar marcas a entenderem as necessidades do seu cliente. 4 fatores que influenciam os consumidores Conhecer os hábitos do seu consumidor é a chave para acertar no tom da publicidade e chamar a atenção dele ao seu produto. 6 tecnologias que prometem facilitar a vida do publicitário Conheça as plataformas que podem ajudar a melhorar o desempenho de uma marca nas redes sociais. Veja mais
FTPI
FTPI São Paulo (11) 2178-8700
FTPI Brasília (61) 3035-3750
FTPI Rio de Janeiro (21) 3852-1588
FTPI Nordeste (81) 2128-4350
FTPI Belo Horizonte (31) 2105-3609
FTPI Curitiba (41) 3026-4100
FTPI Campinas (19) 3296-6224
FTPI Goiânia (62) 98129-0250
FTPI Porto Alegre (51) 99284-2534
Compartilhe
web by Citrus7 2018 | © Todos os direitos reservados