05Jan/11

Classe C já representa 50% do mercado de consumo

A WMcCann apresentou os resultados da pesquisa sobre o consumidor da classe C. Segundo Aloisio Pinto, VP da agência e Head de Planejamento, 50% do mercado de consumo é representado pela classe C, mas “as agências de forma geral ainda são muito preconceituosas” na criação para esse grupo.

De acordo com o estudo realizado pela agência e publicado no jornal Folha de S. Paulo, a classe C não gosta do que parece “chique” e aprendeu a ter um “radar” contra a inferioridade.  Os consumidores desse grupo preferem se afastar de locais e de pessoas que falam de uma “maneira diferente” da dele. Os números revelam ainda que, na compra, 48% dos entrevistados com faixa de renda de R$ 1.000 a R$ 2.000 dizem não a produtos sofisticados demais, 49% se afastam quando a embalagem “diz coisas” que ele não entende e 32% deles rejeitam produtos de nomes complicados de se pronunciar.

“A classe emergente não busca nada que seja estereotipado, nem em produto nem em comunicação. Esse erro é bastante comum nas empresas menos preparadas. A solução não é adaptar o produto para o consumidor mais pobre, mas sim imaginar que ele, quando passa a ter poder de compra, deseja ter o comportamento de um consumidor A”, disse o diretor de inteligência de mercado da agência Y&R, César Ortiz, à Folha.

Os resultados do estudo evidenciam ainda as companhias que têm estratégia mais bem-sucedida para este estrato. Entre elas estão: Casas Bahia (36,7%), Magazine Luiza (9,5%), Nestlé (3,0%), Avon (2,4%) e Havaianas (2,4%).

Leia também o artigo de Marcelo Cazzo, Diretor Comercial da FTPI, sobre regionalização. O texto cita exemplos interessantes de estratégias inteligentes adotadas por grandes marcas para explorar o potencial de cada região brasileira.

Com informações do Adnews.

Últimas notícias do mercado
Ativação do consumo no varejo cresce no Dia dos Pais Incertezas no cenário político não impediram o aumento de 10% nas vendas online TV está presente em 97% das casas dos brasileiros Online aumenta penetração de mercado, mas mídias tradicionais seguem líderes quando se trata de consumo de notícias Setor nacional de beleza masculina deve superar os EUA Mantendo o ritmo de 7,1% anualmente, o Brasil pode ser o maior mercado do mundo em 2018 60% dos brasileiros acreditam na mídia nacional, diz estudo Pesquisa coloca o Brasil em segundo lugar no índice de confiança do público nos meios de comunicação Mercado nacional de mídia deve crescer 4,6% ao ano até 2021 O segmento deve movimentar US$ 13 bi em publicidade no mundo, segundo a PwC Veja mais
FTPI
FTPI São Paulo (11) 2178-8700
FTPI Brasília (61) 3035-3750
FTPI Rio de Janeiro (21) 3852-1588
FTPI Nordeste (81) 2128-4350
FTPI Belo Horizonte (31) 2105-3609
FTPI Curitiba (41) 3026-4100
FTPI Campinas (19) 3296-6224
FTPI Porto Alegre (51) 3231-5222
Compartilhe
web by Citrus7 2017 | © Todos os direitos reservados