31Jan/11

Celular: 28% dos usuários pretendem trocar de operadora

Brasileiros estão mais propensos a mudar de operadora de celular do que usuários de outros países. No Brasil, 28% dos clientes do serviço pretendem mudar de operadora “definitivamente” ou “provavelmente” no período de até 1 ano, de acordo com o relatório da empresa de marketing J.D. Power do Brasil. Em outros países, a taxa é inferior, como no Japão (4%), no Reino Unido (17%), Estados Unidos (16%) e Canadá (20%).

O relatório traz dados preliminares de um estudo a ser publicado em 10/02 com informações detalhadas sobre Claro, Oi, TIM e Vivo, segundo a J.D. Power. No entanto, somente assinantes das operadoras terão acesso a estes resultados. Os dados iniciais revelam o que a maioria dos brasileiros já sabe: os serviços de telefonia celular no país não são satisfatórios.

De acordo com o estudo da J.D. Power, a maioria (57%) dos usuários demonstra indiferença ou dão notas baixas às suas operadoras. No relatório consta que 32% dos clientes atribuem notas de 1 a 5 à sua operadora de telefonia móvel (numa escala de 0 a 10). Outros 25% são indiferentes e dão nota 6 ou 7. Notas mais altas (8, 9 e 10) são atribuídas por 43%.

O Brasil também está à frente de outros países constantes no relatório quando o tema é má qualidade das chamadas. Os brasileiros (19%) reclamam mais de ligações que caem, sinal falho ou distorcido do que canadenses (7,35%), japoneses (5,3%) e americanos (6,45%).

O suporte dado pelas empresas também é encarado como problema no Brasil. Nos últimos seis meses, o atendimento ao cliente, foi procurado por mais da metade dos clientes (60%), diz o relatório. Entre aqueles quem tentaram o contato via telefone, somente 77% conseguiram solucionar sua questão; 41% tiveram sucesso no primeiro contato e o tempo médio necessário para se chegar à solução foi de 22 minutos.

Uma recomendação realizada pela J.D. Power no relatório preliminar indica ainda atraso da prestação de serviço de telefonia móvel no país. A empresa sugere que as operadoras aumentem seus investimentos em infra-estrutura de rede para que seja possível atender às exigências do crescente segmento de usuários de smartphones e outros dispositivos, como os modems e tablets.

Ainda assim, o estudo aponta que mais da metade dos clientes brasileiros (53%) passaram pelo menos por uma experiência de compra de serviços ou produtos de telefonia celular nos últimos seis meses. A mais freqüente delas foi a aquisição de um novo telefone celular (27%); em seguida, veio a renovação ou alteração de planos, adição de serviços ou recursos com a operadora atual (22%). As mudanças de operadora somam 13% das transações; 7% das compras são relacionadas à primeira experiência como cliente de uma operadora celular.

Com informações do Blog do Fernando Rodrigues.

Últimas notícias do mercado
Setor nacional de beleza masculina deve superar os EUA Mantendo o ritmo de 7,1% anualmente, o Brasil pode ser o maior mercado do mundo em 2018 60% dos brasileiros acreditam na mídia nacional, diz estudo Pesquisa coloca o Brasil em segundo lugar no índice de confiança do público nos meios de comunicação Mercado nacional de mídia deve crescer 4,6% ao ano até 2021 O segmento deve movimentar US$ 13 bi em publicidade no mundo, segundo a PwC Produção de bens de capital tem alta de 1,5% em abril Segundo IBGE, a fabricação de bens de consumo duráveis também teve um aumento esse ano Varejo apresenta crescimento no 1º trimestre de 2017 Segundo dados do IBGE, os números são superiores aos do último trimestre de 2016 Veja mais
FTPI
FTPI São Paulo (11) 2178-8700
FTPI Brasília (61) 3035-3750
FTPI Rio de Janeiro (21) 3852-1588
FTPI Nordeste (81) 2128-4350
FTPI Belo Horizonte (31) 2105-3609
FTPI Curitiba (41) 3026-4100
FTPI Campinas (19) 3296-6224
FTPI Porto Alegre (51) 3231-5222
Compartilhe
web by Citrus7 2017 | © Todos os direitos reservados